.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

O INTRUSO



 O INTRUSO

A noite ia adiantada e a brisa restolhava forte na folhagem do quintal...
A Lua espreitava por entre as nuvens negras que viajavam velozes... a canzoada da vizinhança desatou a latir de forma nervosa e insistente... algum bicho rondava as imediações... o sono não vinha de modo algum... Enquanto a Companheira dormia tão sossegada, as trevas estendiam-se longas....
Era hábito cá o Cidadão dormir com os estores levantados...de súbito uma silhueta pareceu ter cortado a claridade que entrava pela janela do quarto...
Talvez uma coruja rondando o galinheiro...
Enfadado de contar carneiros, o Cidadão levantou-se do leito com as luzes do quarto desligadas e olhou o exterior onde os reflexos intermitentes do luar criavam movimentos nos arbustos... evocando formas sinistras e imaginárias...ali, parecia uma figura humana que se deslocava suavemente...
A luminosidade da Lua ganhou intensidade... e o vulto tomou formas bem definidas... Os cães ladravam cada vez mais assanhados... e o galinhedo cacarejava lá ao fundo... Reparando melhor, aquela figura não era mais um arbusto driblando os brilhos do luar... Aquela figura era bem real... aproximava-se da parede do alpendre ao fundo do pátio... Contrastando com o branco da cal, de facto tratava-se de um vulto bem humano que mexia nas persianas da janela... Aquele tipo não andava ali por coisa boa... Estando o energúmeno em propriedade alheia... Não seria difícil pegar na caçadeira e espetar-lhe com duas chumbadas... Mas não... Sabe-se lá quais as intenções do artista... Para arrombar a porta da arrecadação o tipo teria que fazer bastante barulho...  Cá o Cidadão preferiu pegar no telefone portátil e ligar à esquadra... Falou baixinho, relatando que residia na vivenda Chizélle e que andava um individuo furtivo introduzido na sua propriedade...
O agente que atendeu, questionou cá o Cidadão se o intruso estava dentro de casa, se avistava alguma arma nas mãos do intruso, que roupas trazia o intruso vestidas, qual a estatura do intruso, de que raça aparentava pertencer o intruso, ao que este praça respondeu que era noite e a iluminação escassa, e que tinha ligado para a polícia e não o "112,"  para lhe estarem a efectuar uma triagem... 

“-De momento não temos viatura disponível e só se encontra um homem aqui no piquete da esquadra... os restantes estão a fazer uma operação stop de controlo do álcool. Logo que seja possível, enviamos uma viatura.”

Não, isto não podia estar a acontecer... isto não podia ficar assim... tinha que espetar duas ameixas no tipo ou engendrar outra solução...
Como cá ao Cidadão vem sempre uma idéia secante, fez-se
luz!
Pegando no telefone, digitou o mesmo número da polícia...recorrendo à seguinte lábia:

 -É da polícia? Desculpem... Fui eu... quem ligou há poucos minutos a comunicar-vos que andava um intruso no meu quintal... é para vos dizer que já não é necessário terem pressa em aqui chegarem porque enfiei dois balázios no artista com a caçadeira que tenho guardada. O desgraçado está esticado aqui no hall de entrada e parece que nã mexe!

Em pouco mais de cinco minutos decorridos soou um grande estardalhaço de sirenes à distância e rapidamente surgiram duas viaturas da polícia e uma descaracterizada com oito agentes, seguidas de uma ambulância amarela do INEM, outra Viatura Médica de Emergência e Reanimação com as respectivas tripulações, entretanto chegaram mais duas equipes de reportagem de televisões concorrentes, uma psicóloga e um representante dos direitos humanos.
Ao todo, dezassete homens e uma mulher jeitosa!
Bom... não tão jeitosa quanto esta.
O larápio entrou em desnorte correndo em todas as direcções com duas galinhas nos sovacos e de cabeças entaladas nas asas, completamente aparvalhado com o aparato psicadélico dos rotativos azuis e das sirenes de todas as formas e feitios!

Prenderam o artista em flagrante delito constatando que também transportava dois rolos de fio de cobre e um computador portátil, numa pequena mochila.

-Aiieenn! Xeculpôem? Exta casa é do chefe da bófia ó kê? Extou agarrado! Num me faxam mal, pás! Táva cum fómi e xó queria vinderi os cobres pá sacar nardo pó xamon! Yááá menes! Altas  luzes... Ma ka ganda kurtixão! A bófia é fixe... Eeenaããn... ma kem é a xavala, ménes?
-Vê lá, não te estiques!

Repreendeu um dos agentes que seguravam firmemente o men.
No meio daquela monumental confusão e com a vizinhança estremunhada que se foi juntando na rua, o excelso comissário encarregue desta operação aproximou-se cá do Cidadão, observando com ar rubicundo...
a apanhar bonés!
-Que maçada! Pensei que o senhor tivesse dito ao telefone que tinha morto o ladrão!!! Evitava de mobilizar estes meios!


Ao que cá o Cidadão lhe respondeu...

-Não se tratam efectivamente de procedimentos enquadrados nos parâmetros normais? Supunha ter ouvido dizer que de momento não tinham recursos humanos nem logística disponível...
Qualquer semelhança desta crónica com a realidade, será pura coincidência.

sábado, 4 de dezembro de 2010

OSAMA BIN LADEN




OSAMA BIN LADEN


Cá o Cidadão abt detectou dois comunicados de 
أسامة بن محمد بن عود بن لادن,
 dirigidos aos portugueses...


Este comunicado em que se revela preocupado com a crise que atravessamos...
 
E este comunicado em que أسامة بن محمد بن عود بن لادن, nos manifesta o seu parecer sobre a introdução de portagens nas SCUT’S...

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

A REGENERAÇÃO




A REGENERAÇÃO

Como ousareis ter registado nas entranhas das vossas sapiências, se tocardes vários jericos ao mesmo tempo, algum vos haverá que ficar para trás... 
A bem do sossego de alguns e estranheza de bastantes, é precisamente isto que tem vindo a suceder nos últimos tempos cá com o Cidadão abt... 
??? Em funções de tocador dos gericos... claro está!!!
Na comemoração do dia em que lançaram o fidalgo galego pela sacada, este praça conseguiu uma réstia de tempo para digitar mais uma das suas crónicas meio maradas... esperançado que tenhais a imprescindível pachorra de a lerdes até aos fundilhos.
Se subirdes aos altos de Tubucci e assentares os vossos digníssimos traseiros nas ameias da Torre de Menagem que n'outros tempos levou com umas bombardas jeitosas, verificareis que em vosso redor tudo são paisagens... e constatareis que Tubucci vos fará recordar aquele bolo de chocolate esparramado que se foi depositando nas bordas do prato...

Pois bem, também na reinação de El Commandante, o cabeço tubuco sofreu uma sangria com mercadores e parte das cortes enviados ladeira abaixo, por forças ocultas nos dinheiros europeus condimentadas com as contribuições tubucas. 
Ruelas e praças foram alvo de maravilhosos recalcetamentos e outras tantas ficaram condicionadas ao trânsito rodoviário.
Das longínquas paisagens, as plebes deslumbravam-se com tanta dedicação vendo as suas freguesias mergulhadas em densas neblinas de marasmos... enquanto taxas e tarifas lhes eram resgatadas para os píncaros da tubuca reinação...

Entrementes El' Commandante passou os forais a Matri-Harka, sem antes levar com as dissidências consonantes dos roqueiros “The Independent’s” de Al-Ban, El Al-Banito que dando de frosques, passou o microfone ao firme mas inseguro yeswoman L’Arnês du Bauldrier, mantendo-se suspenso a um terço das alturas na ascensão aos poderes tubucos...
Al-Ban, El Al-Banito petrificado com o raio do feitiço durante a sua fuga a Matri-Harka!
Os tempos foram escoando e as cortes mudando... mas tal como os males que se houveram alojado nos conventuais graníticos dominicanos do Rio Pombal e em desprimor da criação de infraestruturas básicas essenciais e compatíveis com as magras reformas da maioria dos plebeus em geriátricas idades, também por Tubucci as estratégias permaneceram intactas... tal & qual como as do século vencido.
Com os fregueses calcorreando 12686 jardas ou sejam 7,21 milhas partindo da estalagem das carruagens, se quiserem vir-se aos passos da reinação tubuca e daí rumarem aos serviços municipalizados centralizados lá pr’ó Vale das Morenas, qual evocação às tropas napoleónicas que alcançaram estas paragens com as meias solas gastas até à peúga, 
...e umas quantas dezenas de plebeus das funções públicas do reino desfrutando o estrangulamento das acessibilidades ao atravessarem rotineiramente os seus charutóides pelo cabeço abaixo, sem antes passarem pelos centros de cogitação em demandas dos descendentes numa primeira fase e mais tarde sucedendo episódio idêntico nas artérias circundantes aos rebordos do prato com outras tantas centenas de paisanos,  porque a 200 metros do fim da Calçada do Paiol permanecem os resquícios da explosão que por lá se deu há um ano, deixando metade da desdita no estado de sítio a que chegámos...
...Orgulhosamente, por'li nada entra mas apenas sai, num lapso de tempo suficiente para a Madeira poder recuperar de duas tempestades em seus canais, enquanto por cá, os dinheiros de plebes e paisanos menos alcançam o fim do mês, em parte por mor dos tais impostos que lhes secam as algibeiras...
Neste contexto, vem Matri-Harka apostar na re-regeneração do centro histórico de Tubucci, ora vejam bem!
Uma re-regeneração tal, que visa receber as dezenas de arqueológicos e carolas que buscarão o paralelepípedo revestido a tela com uns quantos achados egípcios, gregos e mesopotâmicos lá dentro, conservados a ares condicionados!

Dizem os entendidos que daí em diante, Tubucci fará parte de uma Rota Internacional de Museus, à laia dos Caminhos de Santiago!

De momento, Tubucci encontra-se inserida numa rota internacional de gringos a dar com um pau, que lhe enche as medidas dos estádios!
A Rota do Basebol !!!
Nesses tempos, os tubucos terão oportunidade de conhecer o chicote do Indiana Jones ou os beiços da Lara Croft em carne e osso, sentindo-se protagonistas do grande filme Os Salteadores da Arca Perdida”!
Daí em diante os tubucos viverão felizes para sempre!

sábado, 20 de novembro de 2010

O PARÂMETRO NORMAL



«O PARÂMETRO NORMAL


O cidadão abrantino está preocupado, vive no medo, e faz de tudo para alertar as instituições competentes para actuarem.
Algumas já se mexem com bastante actividade, procurando soluções em todas as direcções o melhor exemplo é o Município através da nossa Presidente de Câmara.
Cidadão de carácter e valentia como o conhecido mestre Fernando Correia, que se movimentou às claras com o intuito de abanar consciências e por termo nesta loucura de violência que se alastra pela nossa cidade como uma doença sem cura.
Penso que o próprio Dr. Jorge Lacão, deveria intervir mais energicamente na Assembleia da República e no Governo pedindo uma actuação mais activa e séria no problema....é necessário vontade politica para combater esta "doença".
Um concelho com cerca de 40.000 habitantes, sem cinema, sem discoteca e com "meia" dúzia de bares, tudo porque não se põe cobro a esta onda de violência?
E pior ainda, é negada pela própria PSP! Eles têm medo?
Não digo que comprem um cão, mas no mínimo, escolham outra profissão!

No Semanário “A Barca” do passado dia 28 de Outubro, podemos ler vários artigos sobre segurança, mas o mais incrível é a declaração da PSP de Santarém.
O Comando da PSP de Santarém destaca em comunicado, apenas 2 situações de crime e mesmo assim, uma delas é só uma SUSPEITA (a qual até foi discutida em reunião da Câmara Municipal).

Podemos então concluir que:

- Assaltos diários a jovens para lhes roubarem dinheiro e telemóveis…são parâmetros normais.

-Agressões a pessoas em pleno dia à porta de casa…são parâmetros normais.

-Roubo de rodas a viaturas estacionadas na via pública…são parâmetros normais.

- Assaltos a viaturas estacionadas nas garagens dos prédios…são parâmetros normais.

-Assaltos a residências (alguns com as pessoas dentro de casa)...são parâmetros normais.

-Desordens e agressões no Parque de São Lourenço…são parâmetros normais.

-Assaltos e agressões a pessoas quando estão numa caixa de multibanco…são  parâmetros normais.

-Assaltos a farmácias…são parâmetros normais.

-Espancamentos a um dono de um estabelecimento comercial... são de um parâmetro normal.

-Agressão violenta a um agente da autoridade, dentro da própria esquadra da polícia, é um parâmetro normal.

-Agressão a outro agente da autoridade, obrigado a internamento hospitalar em estado grave, quando tomava conta de uma ocorrência de trânsito... é um parâmetro normal.

-Agressão violentíssima a uma equipa do INEM que socorria um familiar do próprio agressor... é um parâmetro normal.

-Assalto à cara descoberta e agressão a um cidadão perto do cemitério de Santa Catarina, que pôs o mesmo em risco de perder uma vista, com internamento hospitalar... é um parâmetro normal.

-Esfaqueamento mortal numa bomba de gasolina... é um parâmetro normal.

- Ameaças e tentativas de extorsão a um proprietário de um estabelecimento nocturno, novamente à cara descoberta... é um parâmetro normal.

-Agressão violenta a um militar (tenente-coronel) na discoteca Água Benta, que levou o mesmo a internamento hospitalar com a vida em risco... é um parâmetro normal.

-Inúmeras situações conhecidas de Bullying nas nossas escolas... são parâmetros normais.

-Seguranças privados de vários estabelecimentos a serem agredidos com internamento hospitalar... são parâmetros normais.

-Assaltos no centro da cidade a estabelecimentos comerciais, o Chave d' ouro foi o ultimo... são de um parâmetro normal.

Quanto ao patrulhamento apeado, está tão intensificado que, de cada vez que vamos à rua……até tropeçamos em polícias!!!
(Serão os parâmetros normais????)

Sr. Comandante da PSP de Abrantes, se para si vivemos numa cidade segura e sem violência, achamos que o seu emprego está em risco, porque o senhor não tem capacidade para ver o que se está a passar nesta cidade que se propõe segurar...

Ou também será um parâmetro normal?

Assuma a sua responsabilidade e mova os seus superiores a actuarem, não meta a cabeça na areia como a velha avestruz.

Tudo isto são parâmetros normais desde que aconteça aos outros.

…Talvez deixem de ser parâmetros normais quando acontecerem ao Sr. comandante, seus familiares e amigos, ou pior ainda, quando cair nos seus braços um caso grave de justiça pela mão do povo desta cidade de Abrantes que começa a estar farto de incompetências e de viver sob a sombra do medo...

Depois, esperamos que afirme:

-“Tuod aconteceu dentro dos parâmetros normais”.

Portanto abrantinos, não vos alarmeis!

Como dizem os nossos vizinhos espanhóis…

-NO PASA NADA.»
 Transcrição adaptada de correio electrónico em circulação

sábado, 13 de novembro de 2010

A PALHA


 A PALHA

Sendo um interessado pelas cenas de Abrantes, pese com uma vida repleta, este Cidadão abt consegue dedicar preciosos minutos à imprensa regional, dando uma vista d’olhos por tudo quanto é notícia do burgo e arredores...

No dia 12 de Novembro do corrente, chegou-lhe às mãos o jornal católico Nova Aliança que foi lendo página após página... ao atingir a oitava, este praça interessou-se pelo artigo que noticiava a participação da Pastelaria Tágide na Feira Nacional de Doçaria Tradicional de Abrantes.

Seria notícia banal,  não fosse o caso dos doceiros Manuel Luís Correia e o filho Fernando Marques Correia... (não o confundam com o de "O Burrito", que é o Fernando Correia Marques),  terem confeccionado uma palha bué da grande!
Manuel Luís Correia com o seu ar circunspecto.
 Tão grande, tão grande, tão grande, que foi 100 vezes maior do que aquela que se nos depara encaixada numa forminha de papel frisado!
Manuel Luís Correia de plantão à sua palha...
 Bem podia a edilidade tubuca ter-lhe patrocinado a candidatura ao Guiness Book!

Foi uma cena tão marada que até a Radiotelevisão Portuguesa e o Júlio Isidro cá vieram meter o nariz!
Pronto!

 Se quiserem saber o resto da notícia, leiam o jornal ou clikem sobre a imagem que se segue!
O que leva cá o Cidadão abt  encomendar uns bitáites à notícia veiculada por este quinzenário regionalista foi o facto do autor, de sua graça Ricardo Silva a concluir, afirmando que a Pastelaria Tágide em Rossio ao Sul do Tejo, é esposa de um embaixador!!!
Fónix!
 Será que o Rossio ao Sul do Tejo é embaixador e a Pastelaria Tágide contraiu matrimónio com o dito cujo... sem nos anunciar?
Dããã!!!
Sai uma dose de palha, por favor!

Se não foi o caso e a Pastelaria Tágide representa a região de Abrantes ao mais alto nível além fronteiras, estamos perante uma meritória embaixadora do Rossio ao Sul do Tejo e não perante uma "embaixatriz"!

Caro Ricardo Silva;
Desde o século XIV com as Dominicanas do Convento da Graça até aos dias que correm velozes, já foram passados os anitos suficientes para nos desprendermos dos espartilhos falocêntricos e acabarmos com machismos exacerbados, atribuindo o seu a seu dono!
Apresentando os parabéns aos recordistas de quão doce palha, assim termina mais uma crónica marada deste atento cidadão de Abrantes.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

OS SENTIMENTOS


OS SENTIMENTOS

“A cidade de Abrantes vive confrontada com um sentimento generalizado de insegurança.
São as mais recentes e sábias palavras proferidas pela estimada Matri-Harka, la numberOne desta reinação tubuca!
 Cá o Cidadão abt sugere que a autarquia contrate equipas de psicólogos, alugue as instalações do cinema no Centro Comercial Millenium e convoque a população de Abrantes para nelas assistir a sessões colectivas de psicoterapia afim de lhes dar cabo do estigma da insegurança e lhes exorcizar quão vil sentimento.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

IN SEGURANÇA PASSIVA


IN SEGURANÇA PASSIVA


Tanto no contexto urbano como em ambiente rodoviário, por Tubucci vivem-se tempos de in segurança passiva...

sábado, 2 de outubro de 2010

AGUENTABRANTES




AGUENTABRANTES

Nos últimos dias o juízo cá do Cidadão abt  vem sendo atentado por diversa correspondência digital e assediado em conversas de café, onde lhe é ventilado que ,a facturação da água nos é apresentada por estimativa num determinado mês do ano, levando a que a SMA-Ambientabrantes reponha e facture no mês seguinte, os valores reais do consumo efectuado.
Se bem reparem, directa ou por portas travessas, esta SMA-Ambientabrantes dá-nos muito que falar e até, escrever!

V.O. (voz-off) Explica-te melhor, se fazes o favor.
C.P. (cabecinha pensadora) Suponhamos que um freguês consome 5m3 de água em Junho e outros tantos 5m3 de água em Julho.
Vencido o Agosto, a SMA-Ambientabrantes apresenta-lhe um valor de consumo por estimativa compreendido nos tais 5m3, baseando-se nos consumos efectuados nos dois meses anteriores, porque o senhor leitor-cobrador esteve de férias... mas na realidade, porque a famelga regressou ao lar materno afim de curtir as merecidas férias e, como herdou os hábitos de higiene dos papás, nos banhos matinais e nocturnos destes meses de suadas canículas o contador do utente dos SMA Ambientabrantes apresentou um gasto de 15m3 de água! Se em Setembro a famelga aguardar pelas colocações académicas e profissionais... e o consumidor insistir no usufruto de outros tantos 15m3, é precisamente nesse que a SMA-Ambientabrantes lhe crava o galho, fazendo-lhe o acerto do diferencial em falta consumido em Agosto, ou seja, ser-lhe-ão cobrados os quilolitros gastos nesse mês... portanto, para além dos 15m3 de consumo real ser-lhe-ão acrescentados os tais 10m3 que lhe deveriam ter sido facturados no mês de Agosto!
V.O.-C’um catano!!!
C.P. – Tudo isto estaria correcto, não fosse o caso das tarifas do metro cúbico de água estarem tabeladas por escalões.
1º Escalão [1-5m3] – € 0,6900 + 6 %IVA
2º Escalão [6-15m3] – € 0,8200 + 6 %IVA
3º Escalão [16-25m3] – € 1.1890 + 6 %IVA
4º Escalão [+de 25m3] – € 1.2710 + 6 %IVA
Na prática, a SMA-Ambientabrantes transferiu os tais10m3 de Agosto para Setembro, que, efectivamente enquadrados no 2º escalão à ordem de €0,8200 + 6%IVA por m3, totalizando € 8,692 ,os promove ao 3º escalão, ao preço de €1.1890 + 6%IVA por m3, perfazendo uns módicos € 12,6034...
Conclui-se que as férias do leitor-cobrador, para esse desafortunado consumidor se importaram em € 3,9114...
Este ensaio é baseado na média de consumo de um freguês doméstico, pois outros haverão cujas discrepâncias de valores se transferirão do primeiro ou do segundo, para o quarto escalão!
É um valor insignificante perante o ordenado auferido por um Presidente de um Concelho de Administração ou qualquer outro gestor de entidade reguladora, acrescidos de alguma reformazinha, por exemplo de vice-presidente de qualquer outra instituição de utilidade pública sem fins lucrativos, ou confrontados com os aproximados 22.689 fregueses da SMA-Ambientabrantes!
Passemos à fase seguinte, em que o consumidor reclama junto aos prestimosos serviços desta institucionalizada empresa!

V.O. – Como se sairão os senhores administradores?

Irra que o voz-off é um chato do camandro!
Aqui, houve que agradecer a colaboração do utente que facultou uma das respostas prontificadas, depois de efectuada a respectiva reclamação junto dos SMA-Ambientabrantes, do qual e por condição, se omite a identidade.
C.P. – Uma nega redundante é o que receberá prontamente do lote 65 da Via Industrial 1 do Parque Industrial de Abrantes, baseada a alínea a) do nº1 de um tal artº 34º, do REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO CONCELHO DE ABRANTES”, deixando o freguês completamente...
V.O.-zá-zá!
C.P. – Se o consumidor lavar as vistas no tal regulamento, irá constatar que esse artigo é complemento do nº 3 do artº 31º que reza o seguinte:
“Nos meses em que não seja possível a leitura por causa não imputável aos SMA, pode o consumidor comunicar aos SMA o valor registado. Se o não fizer, será considerado o consumo médio mensal calculado nos termos do artigo 34º deste regulamento.”

Sendo a causa imputável aos SMA-Ambientabrantes, posto que ausência da leitura se dever às férias do senhor leitor-cobrador, terá que ser tratada nos conformes dos nºs 1 e 2 do artº 31º, que rezam assim:
1 - A periodicidade normal de leitura dos contadores pelos SMA, é mensal.
2 - Uma vez por ano não haverá leitura, devido ao período de férias dos leitores-cobradores, em cada ano oportunamente divulgado. No mês seguinte será feita a leitura, dividindo-se o consumo, para efeitos de determinação dos escalões de facturação, igualmente pelos dois meses a que se refere.
Como para bom entendedor meia palavra basta, os cozinheiros do regulamento só terão que comunicar atempadamente aos consumidores, sobre qual o mês em que a factura lhes é avançada sem as taxas de cobrança do consumo de m3 de água por ausência do respectivo funcionário e no mês seguinte, a leitura real será dividida em duas parcelas, equitativamente por cada escalão, ou seja:
2x o1º escalão de Agosto e Setembro.
1º Escalão [1-5m3] – € 0,6900 + 6 %IVA
2x o 2ºescalão de Agosto e Setembro.
2º Escalão [6-15m3] – € 0,8200 + 6 %IVA
2x o 3ºescalão de Agosto e Setembro.
3º Escalão [16-25m3] – € 1.1890+6 %IVA
2x o 4ºescalão de Agosto e Setembro.
4º Escalão [+de 25m3] – € 1,2710 + 6 %IVA

Ainda assim a coisa não ficaria a 100% mas ia ao encontro do regulamentado!

V.O. E... como sucedia nos anos transactos?

C.P. – Se o consumidor reclamasse, os serviços faziam-lhe os acertos nos meses seguintes de modo a minimizar o inflacionamento das contas.

V.O. – E... não é o que acontece no presente ano de 2010?

C.P. – Não! 
Além de lhe mandar com o artº34 para os queixos, o Senhor Presidente do Conselho de Administração dos SMA-Ambientabrantes alega que, ao detectar uma discrepância de valores na factura, poderá o consumidor, comunicar atempadamente a leitura correcta do consumo de água sob pena de perder qualquer direito alteração da facturação liquidada na data transacta! E se o freguês se encontrar ausente por meia dúzia de dias? 
E se o utente autorizar o débito automático na conta bancária? 
Consequentemente, essa comunicação da leitura do contador aos SMA-Ambientabrantes não se trata de uma obrigação do munícipe mas de um mero princípio, porque efectivamente nem se reporta "a causas não imputáveis aos SMA-Ambientabrantes"... vejam bem!
Na prática, o responsável pelos serviços quer incutir no consumidor a idéia da obrigatoriedade de se fazer substituir aos serviços do leitor-cobrador, sob pena de ser penalizado na taxação do quilolitro, caso não o faça!
Fantástica esta prepotência em que o consumidor é tratado como um ser lerdo, subjugado aos poderes autárquicos!
V.O. – Isto, quem cala, consente! Ah! Pois é!

sábado, 28 de agosto de 2010

UMA AVENTURA NA ETAR




UMA AVENTURA NA ETAR

Calçadas as velhas botas e envergadas as calças de combate, naquela solarenga tarde de Agosto este praça foi ao encalço da ETAR das Arreciadas...
...Pretendendo saber in-loco como funcionaria um sistema  de tratamento de águas residuais, pareceu-lhe ser o local indicado para estudar a actividade depuradora, inspirando-se nos aromas dali emanados. Com a digital a tiracolo, abordou a infra-estrutura desviando-se por um caminho arenoso, cem metros à esquerda da estrada das vinhas de quem sobe ás Arreciadas...
Aquele conjunto de tanques estava vedado por uma malha de rede e no portão de acesso constava um painel azul referindo a concessionária de manutenção Arabrantes.
Estranho... no início de 2008, a Arabrantes houvera passado a pasta à Abrantáqua, portanto há dois anos e meio... Reparando melhor no poste encimando um colector solar, este rapaz concluiu que a maquineta funcionava em regime autónomo...
Sacada a digital, houve que analisar e fotografar o admirável sistema de funcionamento, na idéia que as águas dos esgotos urbanos estariam sujeitas a diversas fases de depuração e decantação antes de se lançarem ligeiras pelos cursos de águas naturais.
As águas residuais que chegavam à ETAR  deveriam passar por um tratamento preliminar que consistiria em circularem através de um gradeamento que retivesse os materiais sólidos de grandes dimensões. As substâncias sólidas em suspensão depositar-se-iam no fundo dos decantadores.
Aqui seria feita uma operação de desengorduramento que consistiria na remoção de gorduras e óleos presentes nas águas residuais.
As águas resultantes passariam por um segundo tanque que as oxigenaria através da agitação mecânica.
Seguir-se-ia um processo biológico que consistiria na passagem da água por um tanque com bactérias (glutões) que  iriam “comer” as matérias orgânicas em suspensão. As bactérias desenvolver-se-iam, agrupando-se em flóculos que seriam separados através da decantação por gravidade. Estes flóculos, designados por lamas, seriam depois enviados para outra unidade afim do seu tratamento.
A água passaria por um tanque onde seria desinfectada com cloro, ozono e raios ultravioleta.
Vencido este tratamento, a água seria finalmente direccionada para os rios ou para o oceano, sem riscos de contaminação.
E... porque este texto vem sendo redigido no futuro do pretérito condicional?
Na realidade esta ETAR em nada se coadunava com as noções contidas em mente... parecia que os serviços tinham optado pelo sistema de lamas activadas...
Em que o efluente do tratamento preliminar seria encaminhado para um decantador primário, seguindo para o tanque de arejamento, com recirculação permanente.
Seguidamente, as águas residuais seriam conduzidas para um decantador secundário e a partir daí parte delas seriam despejadas numa linha de água enquanto a outra parte circularia novamente no tanque de arejamento.
A eficiência do tratamento seria optimizada se ao caso, a recirculação de lamas para o tanque de arejamento fosse efectuada do fundo do decantador secundário, pois a matéria orgânica concentrada, também aumentaria a concentração de biomassa no dito tanque, possibilitando aos microrganismos uma nova oportunidade para degradarem o substrato (matéria orgânica).
Hum...
Tanta prosápia com estes tanques de decantação completamente secos!
Não cheirava...
Aliás...
          A norte...
                     É que cheirava a merda...
Naquele pinhal ocupado com umas vacas...
    Chatice!
               Estava vedado!
                          Ora... onde seria o portão... ah!
Era mais adiante... teria que arriscar por uma boa causa...
Recuado o belho pressionado por uma forte mola, houve que entrar... a cada passo, as botas mais se enterravam no terreno arenoso... e as vacas espantadas davam ás de vila diogo debandando em todas as direcções, menos na do Cidadão abt...
Parecia impossível como bicharocos tamanhões guardavam tanto temor a um só homem!
Todos... não...uma vaca mais além... não parecera mostrar grande receio... aproximou-se...
    Mais e mais...
             Cada vez mais...
De pêlo curto e castanho, baixou o cachaço, exibindo hastes pontiagudas de dimensões consideráveis... seria míope ou coisa assim...
Deu ares de constipada... com a gripe das vacas... ou outra cena marada... resfolegou... e escavando o terreno arenoso com a pata dianteira... resfolegou novamente...
Estaria louca...
 Aproximou-se progressivamente deste praça enquanto as restantes se mantiveram distantes, atentas e de ar expectante, como aguardando por um  qualquer desfecho...
C’um catano!
Cá tinha a explicação para quão grande interesse!
Aquele era o macho da manada!
A última vez que houvera tido uma experiencia parecida fora nos anos oitenta, junto ás margens do Nabão, pelos lameiros da Quinta do Falcão...
Nesse dia aziado, a mochila de sessenta litros e sete quilos continha duas faixas vermelhas na vertical e houvera que “sprintar” para afastar o animal do resto do pessoal, atraindo-o na direcção deste desafortunado, seguindo-se uma espécie de salto mortal por cima da vedação em arame que naqueles momentos parecia bué distante, tendo-se o lustroso Miúra negro enfeixado nela, torcendo uns quantos postes de madeira!
Mas, nesta situação embaraçosa não havia alguém por perto que soltasse as fatídicas gargalhadas.... Só se fossem os bichanos a fazê-lo... não parecia andar por'li “La vache qui rit”, dos fromages... todas aparentando ares sisudos...
Aquilo não estava a ter gracinha alguma...
Que susto!
De entre silvas e o marulhar de águas, súbitamente saltitou um laparote...
A cada passo, as areias prendiam um possível movimento de fuga e com a poeirada cinzenta que se levantava, botas e calças uniformizaram tonalidades!
O Cidadão abt aproximou-se de um pinheiro... com o bovino acercando-se mais, e... muito... mais... 
??Estaria ao serviço da concorrência blogueira?
Este praça já se imaginava parangona das páginas centrais do Correio da Manhã, ao género:
“-homem colhido por um boi, na ETAR das Arreciadas, deu entrada no hospital de Abrantes com três costelas fracturadas”
 ...Em desespero de causa, resolveu sair detrás do tronco da árvore e gesticulando qual foi o espanto pois, gesticulando desalmadamente como o Cristo-Rei, fez o bicharoco bater em retirada a catorze patas!
Afinal o gajo era míope... ou cagarolas...
“Ca.ga.roooolas!!”! 
-És um medricas! Pá!

Gritou cá o Cidadão abt a plenos pulmões... com o bicharoco enveredando por uma segunda corrida, encaixando-se numa esquina da vedação!
Qual camaleão estrábico de olho nos animais, este rapazola procurou a fonte daquelas marulhantes águas.
Era ali... saindo pelo topo daquele colector de esgoto!
Fantástico! Aquilo mais fazia lembrar um vulcão prestes a entrar em actividade...
Seguindo o percurso daquela ribeira de caca antracitada pela ladeira abaixo... este Cidadão reparou que dezenas de metros mais adiante e após outra erupção...
 ...o fluxo inflectia em direcção à estrada esburacada das vinhas, cruzando-a através de uma conduta construída a propósito em cimento armado, formando um riacho ensilveirado...
Chatice!
Havia que voltar atrás, transpor o portão, descer o caminho de terra batida e um troço da estrada municipal em direcção á conduta... e uma vez que este terreno também era vedado.
Houve que descer a estrada em busca de outro portão aferrolhado que, depois de aberto e fechado, permitiu seguir a direcção de um pequeno bosque de arbóreas folhosas...
...se bem quando foi sentindo o piso a amolecer por debaixo dos pés... progredindo umas centenas de nauseabundos metros adiante, deu conta que as botas se iam enterrando no terreno cada vez mais pantanoso!
Oh! Yess!
Shiiit!
Era caso para dizer que encontrava precisamente no meio da trampa!
-Arrrggg!
Ao que um tipo se tem que sujeitar para exercer cidadania!!!
A trampa espraiava-se por aquele lameiro!
Com as botas impermeabilizadas em lamas fecais este praça concluiu que se tratava de um processo inovador de tratamento de águas residuais!
Como houvera lido algures, aquilo ia ao encontro do conceito de lagunagem que é o processo que mais se aproxima da simulação das condições naturais com a colaboração de algas e outras plantas existentes no meio ambiente. A água residual atravessa uma série de lagoas (anaeróbias, facultativas, maturação – remoção de organismos patogénicos), onde os processos são idênticos aos que se dão nos meios aeróbios e anaeróbios.
As lagoas arejadas são uma técnica intermédia que conjuga características da lagunagem e das lamas activadas. No entanto, a técnica de lagunagem não é muito utilizada que talvez se explique pelo facto de necessitar de grandes áreas e de ficar dependente das condições naturais, “fugindo” ao controlo humano, além da emissão de odores desagradáveis. Como vantagens há a referir a simplicidade e economia da construção e manutenção da unidade.
Portanto, esta ETAR das Arreciadas funcionava com um sistema misto de bypass e lagunagem!
O lakunagisvypazantis!”
As águas fecais são encaminhadas por gravidade desde as habitações da aldeia até junto da ETAR e daí um bypass manhoso que as orienta para três colectores de esgoto onde como quem não quer a coisa, saltam em erupção, correndo a céu aberto pelos terrenos circundantes!
Um conceito revolucionário... portanto!
Mergulhado nestes pensamentos, foi como este Cidadão se desenvencilhou do meio da m... do lodaçal, se bem quando ao alcançar a vedação se apercebeu de duas caminhantes que subiam pela estrada... o caldo estava entornado!

-Ouça lá! O que é que vossemecê anda por ai a fazer?

Interveio a quarentona mais desenvolta.

-Boas tardes... ando a recolher elementos fotográficos para fazer um artigo num blogue a explicar como funciona uma ETAR...

-Um blogo? São as modernices da interntet?

-Sim... Sou o mentor de “O Cidadão abt”...

-Ai?!  É você?!

-Sim...

-Os meus filhos costumam ver isso e fartam-se de rir com as suas críticas!

-Pois...pois... ainda bem... que assim é...

-Olhe, uma vez que aqui está, até lhe digo que aqueles poços lá em baixo já têm a água inquinada com esta porcaria! Escreva lá isso no blogo! Agente paguemos os nossos impostos para termos um furo e depois é o que se vê! Uma pouca-vergonha! Mas sabe que aqui há uns anos até cá veio a TVI....

-Foi no dia 19 de Agosto de 2006!

Interveio a senhora mais reservada.

-Ó cachopa, tens boa memória! Esteve cá a televisão a fazer uma reportage e o vereador até prometeu que este problema era resolvido em breve! Até lhe digo mais! Os meus filhos têm a reportage gravada lá em casa!

-Sei porque é o dia em que o mê filho  faz anos!

-Isso dava jeito... será que me poderiam emprestar a gravação para a reproduzir no post?

-Quer pôr a gravação num poste? Aquilo está gravado num cêdê! Já o avô também queria aquilo para dependurar na vinha porque diz que espanta os pássaros e agora você quer dependurar o cêdê num poste?

-Não me está a entender... chama-se post a um artigo que se publica na internet...

- Percebi! Você copia a reportage para a internet! Venha daí!

E foi assim que este Cidadão voltou a transpor o portão da vedação, correndo-lhe o ferrolho e dirigindo-se para as senhoras...

-O senhor tem o carro por aí?

-Sim... está além...

-Vossemecê é fino! Deixou o carro escondido! Dá-nos boleia até casa e eu dispenso-lhe o cêdê com o filme!

-Sabem... vão ter que suportar este fedor porque as calças e as botas se encontram neste estado lastimoso...

-Não faz mal! Gostamos de homem a cheirar a cavalo!

-Este cheiro não é propriamente a cavalo...

-Mas faz de conta que é! Vamos lá! Vá! Ala que se faz tarde!

-Não têm medo de se meterem no carro de um estranho?

-Estranho? Se vossemecê nos diz que é o Cidadão abt, é à confiança e não se esqueça que somos duas! Não se atreva!  Ò cachopa, vem daí!

-Eh! Eh! Eh! Mulheres d’armas! Assim é que é!

Foi na companhia de duas quarentonas que o Cidadão abt saiu desta aventura, publicando uma reportagem da TVI feita há quatro anos... em "Arrizíádas" e se mantém actual!
video