.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

sábado, 28 de agosto de 2010

UMA AVENTURA NA ETAR




UMA AVENTURA NA ETAR

Calçadas as velhas botas e envergadas as calças de combate, naquela solarenga tarde de Agosto este praça foi ao encalço da ETAR das Arreciadas...
...Pretendendo saber in-loco como funcionaria um sistema  de tratamento de águas residuais, pareceu-lhe ser o local indicado para estudar a actividade depuradora, inspirando-se nos aromas dali emanados. Com a digital a tiracolo, abordou a infra-estrutura desviando-se por um caminho arenoso, cem metros à esquerda da estrada das vinhas de quem sobe ás Arreciadas...
Aquele conjunto de tanques estava vedado por uma malha de rede e no portão de acesso constava um painel azul referindo a concessionária de manutenção Arabrantes.
Estranho... no início de 2008, a Arabrantes houvera passado a pasta à Abrantáqua, portanto há dois anos e meio... Reparando melhor no poste encimando um colector solar, este rapaz concluiu que a maquineta funcionava em regime autónomo...
Sacada a digital, houve que analisar e fotografar o admirável sistema de funcionamento, na idéia que as águas dos esgotos urbanos estariam sujeitas a diversas fases de depuração e decantação antes de se lançarem ligeiras pelos cursos de águas naturais.
As águas residuais que chegavam à ETAR  deveriam passar por um tratamento preliminar que consistiria em circularem através de um gradeamento que retivesse os materiais sólidos de grandes dimensões. As substâncias sólidas em suspensão depositar-se-iam no fundo dos decantadores.
Aqui seria feita uma operação de desengorduramento que consistiria na remoção de gorduras e óleos presentes nas águas residuais.
As águas resultantes passariam por um segundo tanque que as oxigenaria através da agitação mecânica.
Seguir-se-ia um processo biológico que consistiria na passagem da água por um tanque com bactérias (glutões) que  iriam “comer” as matérias orgânicas em suspensão. As bactérias desenvolver-se-iam, agrupando-se em flóculos que seriam separados através da decantação por gravidade. Estes flóculos, designados por lamas, seriam depois enviados para outra unidade afim do seu tratamento.
A água passaria por um tanque onde seria desinfectada com cloro, ozono e raios ultravioleta.
Vencido este tratamento, a água seria finalmente direccionada para os rios ou para o oceano, sem riscos de contaminação.
E... porque este texto vem sendo redigido no futuro do pretérito condicional?
Na realidade esta ETAR em nada se coadunava com as noções contidas em mente... parecia que os serviços tinham optado pelo sistema de lamas activadas...
Em que o efluente do tratamento preliminar seria encaminhado para um decantador primário, seguindo para o tanque de arejamento, com recirculação permanente.
Seguidamente, as águas residuais seriam conduzidas para um decantador secundário e a partir daí parte delas seriam despejadas numa linha de água enquanto a outra parte circularia novamente no tanque de arejamento.
A eficiência do tratamento seria optimizada se ao caso, a recirculação de lamas para o tanque de arejamento fosse efectuada do fundo do decantador secundário, pois a matéria orgânica concentrada, também aumentaria a concentração de biomassa no dito tanque, possibilitando aos microrganismos uma nova oportunidade para degradarem o substrato (matéria orgânica).
Hum...
Tanta prosápia com estes tanques de decantação completamente secos!
Não cheirava...
Aliás...
          A norte...
                     É que cheirava a merda...
Naquele pinhal ocupado com umas vacas...
    Chatice!
               Estava vedado!
                          Ora... onde seria o portão... ah!
Era mais adiante... teria que arriscar por uma boa causa...
Recuado o belho pressionado por uma forte mola, houve que entrar... a cada passo, as botas mais se enterravam no terreno arenoso... e as vacas espantadas davam ás de vila diogo debandando em todas as direcções, menos na do Cidadão abt...
Parecia impossível como bicharocos tamanhões guardavam tanto temor a um só homem!
Todos... não...uma vaca mais além... não parecera mostrar grande receio... aproximou-se...
    Mais e mais...
             Cada vez mais...
De pêlo curto e castanho, baixou o cachaço, exibindo hastes pontiagudas de dimensões consideráveis... seria míope ou coisa assim...
Deu ares de constipada... com a gripe das vacas... ou outra cena marada... resfolegou... e escavando o terreno arenoso com a pata dianteira... resfolegou novamente...
Estaria louca...
 Aproximou-se progressivamente deste praça enquanto as restantes se mantiveram distantes, atentas e de ar expectante, como aguardando por um  qualquer desfecho...
C’um catano!
Cá tinha a explicação para quão grande interesse!
Aquele era o macho da manada!
A última vez que houvera tido uma experiencia parecida fora nos anos oitenta, junto ás margens do Nabão, pelos lameiros da Quinta do Falcão...
Nesse dia aziado, a mochila de sessenta litros e sete quilos continha duas faixas vermelhas na vertical e houvera que “sprintar” para afastar o animal do resto do pessoal, atraindo-o na direcção deste desafortunado, seguindo-se uma espécie de salto mortal por cima da vedação em arame que naqueles momentos parecia bué distante, tendo-se o lustroso Miúra negro enfeixado nela, torcendo uns quantos postes de madeira!
Mas, nesta situação embaraçosa não havia alguém por perto que soltasse as fatídicas gargalhadas.... Só se fossem os bichanos a fazê-lo... não parecia andar por'li “La vache qui rit”, dos fromages... todas aparentando ares sisudos...
Aquilo não estava a ter gracinha alguma...
Que susto!
De entre silvas e o marulhar de águas, súbitamente saltitou um laparote...
A cada passo, as areias prendiam um possível movimento de fuga e com a poeirada cinzenta que se levantava, botas e calças uniformizaram tonalidades!
O Cidadão abt aproximou-se de um pinheiro... com o bovino acercando-se mais, e... muito... mais... 
??Estaria ao serviço da concorrência blogueira?
Este praça já se imaginava parangona das páginas centrais do Correio da Manhã, ao género:
“-homem colhido por um boi, na ETAR das Arreciadas, deu entrada no hospital de Abrantes com três costelas fracturadas”
 ...Em desespero de causa, resolveu sair detrás do tronco da árvore e gesticulando qual foi o espanto pois, gesticulando desalmadamente como o Cristo-Rei, fez o bicharoco bater em retirada a catorze patas!
Afinal o gajo era míope... ou cagarolas...
“Ca.ga.roooolas!!”! 
-És um medricas! Pá!

Gritou cá o Cidadão abt a plenos pulmões... com o bicharoco enveredando por uma segunda corrida, encaixando-se numa esquina da vedação!
Qual camaleão estrábico de olho nos animais, este rapazola procurou a fonte daquelas marulhantes águas.
Era ali... saindo pelo topo daquele colector de esgoto!
Fantástico! Aquilo mais fazia lembrar um vulcão prestes a entrar em actividade...
Seguindo o percurso daquela ribeira de caca antracitada pela ladeira abaixo... este Cidadão reparou que dezenas de metros mais adiante e após outra erupção...
 ...o fluxo inflectia em direcção à estrada esburacada das vinhas, cruzando-a através de uma conduta construída a propósito em cimento armado, formando um riacho ensilveirado...
Chatice!
Havia que voltar atrás, transpor o portão, descer o caminho de terra batida e um troço da estrada municipal em direcção á conduta... e uma vez que este terreno também era vedado.
Houve que descer a estrada em busca de outro portão aferrolhado que, depois de aberto e fechado, permitiu seguir a direcção de um pequeno bosque de arbóreas folhosas...
...se bem quando foi sentindo o piso a amolecer por debaixo dos pés... progredindo umas centenas de nauseabundos metros adiante, deu conta que as botas se iam enterrando no terreno cada vez mais pantanoso!
Oh! Yess!
Shiiit!
Era caso para dizer que encontrava precisamente no meio da trampa!
-Arrrggg!
Ao que um tipo se tem que sujeitar para exercer cidadania!!!
A trampa espraiava-se por aquele lameiro!
Com as botas impermeabilizadas em lamas fecais este praça concluiu que se tratava de um processo inovador de tratamento de águas residuais!
Como houvera lido algures, aquilo ia ao encontro do conceito de lagunagem que é o processo que mais se aproxima da simulação das condições naturais com a colaboração de algas e outras plantas existentes no meio ambiente. A água residual atravessa uma série de lagoas (anaeróbias, facultativas, maturação – remoção de organismos patogénicos), onde os processos são idênticos aos que se dão nos meios aeróbios e anaeróbios.
As lagoas arejadas são uma técnica intermédia que conjuga características da lagunagem e das lamas activadas. No entanto, a técnica de lagunagem não é muito utilizada que talvez se explique pelo facto de necessitar de grandes áreas e de ficar dependente das condições naturais, “fugindo” ao controlo humano, além da emissão de odores desagradáveis. Como vantagens há a referir a simplicidade e economia da construção e manutenção da unidade.
Portanto, esta ETAR das Arreciadas funcionava com um sistema misto de bypass e lagunagem!
O lakunagisvypazantis!”
As águas fecais são encaminhadas por gravidade desde as habitações da aldeia até junto da ETAR e daí um bypass manhoso que as orienta para três colectores de esgoto onde como quem não quer a coisa, saltam em erupção, correndo a céu aberto pelos terrenos circundantes!
Um conceito revolucionário... portanto!
Mergulhado nestes pensamentos, foi como este Cidadão se desenvencilhou do meio da m... do lodaçal, se bem quando ao alcançar a vedação se apercebeu de duas caminhantes que subiam pela estrada... o caldo estava entornado!

-Ouça lá! O que é que vossemecê anda por ai a fazer?

Interveio a quarentona mais desenvolta.

-Boas tardes... ando a recolher elementos fotográficos para fazer um artigo num blogue a explicar como funciona uma ETAR...

-Um blogo? São as modernices da interntet?

-Sim... Sou o mentor de “O Cidadão abt”...

-Ai?!  É você?!

-Sim...

-Os meus filhos costumam ver isso e fartam-se de rir com as suas críticas!

-Pois...pois... ainda bem... que assim é...

-Olhe, uma vez que aqui está, até lhe digo que aqueles poços lá em baixo já têm a água inquinada com esta porcaria! Escreva lá isso no blogo! Agente paguemos os nossos impostos para termos um furo e depois é o que se vê! Uma pouca-vergonha! Mas sabe que aqui há uns anos até cá veio a TVI....

-Foi no dia 19 de Agosto de 2006!

Interveio a senhora mais reservada.

-Ó cachopa, tens boa memória! Esteve cá a televisão a fazer uma reportage e o vereador até prometeu que este problema era resolvido em breve! Até lhe digo mais! Os meus filhos têm a reportage gravada lá em casa!

-Sei porque é o dia em que o mê filho  faz anos!

-Isso dava jeito... será que me poderiam emprestar a gravação para a reproduzir no post?

-Quer pôr a gravação num poste? Aquilo está gravado num cêdê! Já o avô também queria aquilo para dependurar na vinha porque diz que espanta os pássaros e agora você quer dependurar o cêdê num poste?

-Não me está a entender... chama-se post a um artigo que se publica na internet...

- Percebi! Você copia a reportage para a internet! Venha daí!

E foi assim que este Cidadão voltou a transpor o portão da vedação, correndo-lhe o ferrolho e dirigindo-se para as senhoras...

-O senhor tem o carro por aí?

-Sim... está além...

-Vossemecê é fino! Deixou o carro escondido! Dá-nos boleia até casa e eu dispenso-lhe o cêdê com o filme!

-Sabem... vão ter que suportar este fedor porque as calças e as botas se encontram neste estado lastimoso...

-Não faz mal! Gostamos de homem a cheirar a cavalo!

-Este cheiro não é propriamente a cavalo...

-Mas faz de conta que é! Vamos lá! Vá! Ala que se faz tarde!

-Não têm medo de se meterem no carro de um estranho?

-Estranho? Se vossemecê nos diz que é o Cidadão abt, é à confiança e não se esqueça que somos duas! Não se atreva!  Ò cachopa, vem daí!

-Eh! Eh! Eh! Mulheres d’armas! Assim é que é!

Foi na companhia de duas quarentonas que o Cidadão abt saiu desta aventura, publicando uma reportagem da TVI feita há quatro anos... em "Arrizíádas" e se mantém actual!
video

sábado, 14 de agosto de 2010

ESGOTADOS




ESGOTADOS


Os Serviços Municipalizados de Abrantes (SMA) apostaram na data de 17 de Agosto deste ano da graça de 2010 DC  para a centralização da logística e dos serviços nas instalações do Parque Industrial de Abrantes.
Certamente que com a facturação do consumo de água deste mês já todos nós, munícipes, recebemos uma circular apensa com os respectivos esclarecimentos.
De igual modo, no início desta semana fomos brindados com a notícia de que a Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR), planeia nivelar o preço do metro cúbico de água para cima, representando “inflação” para os dependentes deste líquido. De inflação em inflação, no arranque de cada ano foram-nos habituando a que tudo suba de preço... agora vão-nos incutindo a idéia que após as férias parlamentares também há lugar a novas subidas nos preços dos bens públicos.... 
Dá-nos vontade de exclamar que é para lamentar!
Deve ser o motivo que obriga a subir o preço da bica para 1€!
Qualquer dia temos o custo deste bem essencial à vida, cotado a valores superiores aos das águas engarrafadas!
Ver-nos-emos na necessidade de tratarmos a higiene diária, recorrendo à aquisição de garrafões de cinco litros por 0.30€ a unidade, adiando estes prazeres refrescantes...
Bom... bom...
bombom!
Se isso nos acontecer... poderemos agradecê-lo à entidade reguladora!
Concluiremos seguramente que as entidades reguladoras disto e daquilo, em nada beneficiam os consumidores, tão sómente garantem os chorudos ordenados a uns quantos gestores, directores e administradores.
Bem o apreciamos nos combustíveis, nas telecomunicações e nas energias.
Nessa missiva concedem-nos informações sobre a nova localização, dinâmica da concessionada para o tratamento dos esgotos do concelho que eufemisticamente apelidam de "águas residuais",  e meios de como poderemos liquidar as nossas facturas.
clique duas vezes sobre o documento
 É-nos dado a saber que o abastecimento de água está disponível a mais de 99% da população do município abrantino e que a recolha do lixo doméstico é assegurada em todas as localidades, pese o facto de nas povoações rurais ser recolhido espaçadamente, com intervalos que atingem os quinze dias!
São precisamente os consumidores rurais que não têm acesso ao serviço público de recolha das águas saponáceas e fecais, consequentemente enviadas para as fossas sépticas das suas habitações.
Em termos municipais, a rede de esgotos designa-se por “saneamento” a exemplo da ETAR das Arreciadas que transborda as águas fecais para os terrenos circundantes, tornando as terras ricas em nutrientes!
Para que o ciberleitor não se queixe que cá o Cidadão abt elabora grandes post’s, este assunto será oportunamente analisado.
Regressando à informação que nos foi prestada pela Ambientabrantes, concluímos que na presente data os serviços de saneamento concessionados à Abrantáqua não chegam a servir 92,2% dos consumidores sendo esta a meta a atingir.
Ficamos sem saber qual a percentagem exacta de consumidores que não usufruem destes serviços mas os paga como prestados.
Dos dados recolhidos no site dos SMA poderemos considerar 25% de incumprimento, posto que esses serviços chegam a 75% dos utentes.
Assim vemo-nos na necessidade de nos basear em suposições que não andarão longe da realidade.
Relacionando os 37546 eleitores recenseados no ano de 2005 com os 36872 inscritos no ano de 2009, registou-se um decréscimo de 674 habitantes no concelho, número pouco significativo na evolução dos contratos, razão para nos sustentarmos nos 22689 contratos de abastecimento de água do ano de 2007, sustentados na razão de se verificar uma renovada taxa ocupacional de população temporária resultante da mão de obra temporária para construção das infra-estruturas industriais da região, não tendo havido aceso a outra estatística mais recente e considerando-se a média mensal de 8 metros cúbicos de água de um consumidor doméstico, são quatro, as parcelas de encargos com os serviços de saneamento que os 25% de contratados não usufruem.
Tarifa de saneamento fixa2.76€
Tarifa de saneamento variável8 x 0.4153 =3.32€
Tarifa de saneamento adicional0.50€
Taxa de IVA a 6% sobre a primeira e segunda parcelas – 0.36€
Total = 6.94€ todos os meses literalmente deitados ao lixo!
Se multiplicarmos este valor pelos 5672 utentes que correspondem aproximadamente aos tais 25% que não beneficiam dos serviços de saneamento da Abrantáqua, resulta na módica quantia de 39.363,68€ mensais que entram nos cofres dessas empresas.
Supondo que a empresa Abrantáqua venha a cumprir com a meta dos 90%,  acima publicados e anunciados no espécimen da circular-comunicado, restam 10 % de contratos excluídos do sistema, correspondendo a um número aproximado de 2268 fregueses.
Feitas as contas, concluímos que futuramente nos serão extorquidos aproximadamente 15.740 € mensais sem que deles nos prestem serviços!
Uma alegria!
Tendo um poço no quintal, o cidadão que prescinda dos serviços públicos de água é obrigado a efectuar o contrato de abastecimento com os serviços municipalizados por se encontrar ligado à rede de saneamento público, enquanto outro que necessite do abastecimento público de água terá que pagar os serviços de saneamento, mesmo não usufruindo da rede pública de esgotos por perto!

sábado, 7 de agosto de 2010

SÃO MACÁRIO DE TUBUCCI





SÃO MACÁRIO DE TUBUCCI

Tubucci tem as suas lendas francas.
Consta-se que Macário, homem de negócio ambulante, se ausentava de casa por tempos prolongados até chegado o dia em que despachada a venda mais breve do que supora, a seu lar cedo regressou.
Era noite gélida, profunda e de nevoeiros cerrada, já o mocho houvera piado três vezes, quando ao franquear a porta do seu lar, Macário encontrou o leito de repouso e paixão ocupado por outro ser que, dormindo só e profundamente, viu a sua vida ceifada pelo ódio e ciúme de um Macário varado de todo, adivinhando a traição da companheira que em outro aposento repousava.
Consumada a desgraça e horrorizado perante o tão macabro cenário de alvos lençóis de linho encharcados pelo escarlate sangue, Macário deu razão que tinha assassinado o próprio pai cuja esposa acolhera no calor de seu quarto, livrando-o das agruras da gélida noite.
Arrependido por tão vil precipitação e entregando-se ao desengano Macário fez-se eremita no alto de uma montanha, abrigando-se numa gruta onde passou os restos da sua triste e amargurada vida em permanente jejum, mergulhado em infindáveis orações.
Assim, Macário se fez santo.
Entre o entroncamento da Estrada Nacional nº2 e a passagem de nível da Linha do Leste como quem sobe para as Arreciadas, essa terra devota aos Tabajara, povo guerreiro do Ceará que foi colonizado pelas atrocidades dos europeus, assumindo a sua luta de libertação liderada pelos Jesuítas e por Rodrigo Mendoza, ex-mercador de escravos, convertido ao cristianismo...
 Exemplo fugaz de uma índia em estado de repouso. 
A caminho desta linda aldeia com risco ao meio e em altaneiros desafios à sede de freguesia no morro a Noroeste, que é São Miguel do Rio Torto, damos com um condomínio em franca expansão.
Local propício para qualquer eremita em regime de condomínio aberto poder construir a sua residência em módulos, dispensando requerimentos chatos, liberto de plantas de localização, de aprovação de projectos, de licença de execução de obras ou vistoria de habitabilidade, consequentemente evitando as incómodas deslocações dos fiscais da reinação e ficando isentos de imposto municipal de imóveis, contribuição autárquica, Sisa mas não Vieira, serviços radio-eléctricos, taxas, tarifas de saneamento e de metros cúbicos de água, a exemplo desta factura...
Se quiserdes saber o somatório das continhas, clicai duas vezes sobre as facturas e os números se vos revelarão em todo o seu esplendor.
Ooop’s!
Queríeis uma facturação municipal de água assim?
É de Punhete!
E...  saberdes como cá o Cidadão abt a conseguiu?
? ? ? ? ?
Encontrou-a num caixote do lixo!
-Dããã!!!
Esta, por exemplo, é de Tubucci. Descontem-lhe os metros cúbicos consumidos e deitem-lhes as contas...
Para evitar a perturbação do trânsito e os constrangimentos dos serviços autárquicos, as actividades de construção civil desenvolvem-se aos fins-de-semana ou em horário nocturno e pós-laboral.
Numa simbiose perfeita entre os materiais pré fabricados e a alvenaria, vai por’li surgindo um novo conceito de arquitectura urbanística.
-Coisa moderna e p’rá frentex!
O brilho dos painéis em zinco canelado reflectindo os raios solares, é conjugado com o baço do aglomerado de madeira e a intermitência horizontal das tábuas ripadas, que surpreende qualquer estudioso da matéria.
 
São habitações de piso térreo com os vãos contornados por barras em ocre amarelo-torrado afim de provocarem a despistagem dos in7’s que desta forma peculiar se esborracham contra as fachadas, evitando a invasão dos compartimentos, em consonância com as técnicas populares das edificações alentejanas.
Para melhor integração no ambiente urbano, obedecem à traça do templo arreciadense!
Estes módulos habitacionais são providos de espaços com churrasqueiras ao ar livre, tendo área florestal a uns escassos cinquenta metros.
Com alpendres invertidos e amovíveis, a modos que se nos deparam no alçado principal, segundo os novos conceitos arquitectónicos, porquanto sendo locais propícios ao conversório intemporal e um tanto tempestivo, neles se revêem amigos e familiares, se trocam fortes abraços e palmadas nas costas, se ingerem infusões e se joga o gamão e a bisca, enfim e ao caso, um lugar de privacidade voltado à vida mundana.
Estas áreas requerem alguma polivalência, porquanto estando abertas ao tráfego rodoviário numa perfeita simbiose com a estrada municipal que acede ás Arreciadas, funcionam como logradouro e garagem colectivos. Frequentemente encontrarmos os condóminos recostados sobre cadeiras de esplanada, construídas em PVC-monobloco, material bastante resistente, diga-se de passagem, ocupando cerca de 1/3 da faixa de rodagem, sendo um ponto estratégico de alargada visibilidade, de onde controlam o esquema, pondo ordem nas traquinices dos cachopos.
A fonte de subsistência para a manutenção do condomínio poderá eventualmente contemplar a cobrança de portagem, cujo equipamento se encontra disponível mais adiante nas infra-estruturas adequadas, dando conveniente uso ás cancelas da passagem de nível que de momento mais não servem do que para assinalar uns quantos arames ou a passagem do esporádico cavalo de ferro entre gritos e gesticulações dos garotos.
Num tosco de blocos de cimento em tons cinza claro, os varandins avançam até à faixa de rodagem sobrepondo-se na valeta de escoamento das águas pluviais, num contraste quasi imaculado com a antracite do asfalto contrariando aquela ideia retrógrada de que se têm que guardar alguns metros em relação à via de circulação.
Os estendais de roupa percorrem os alçados laterais do condomínio num jogo colorido de tecidos e as crianças, numa avaliação psicológica, testam a perspicácia e a agilidade dos condutores passantes pois de entre alegretes e muretes, repentinamente lhes saem ao caminho.
Os jovens estudantes de Hitoyoshi poderão por’li colher novos ensinamentos para que junto de Akihito do Império do Sol Nascente, possam conjugar este conceito arquitectónico com as suas ameixoeiras que dão amêndoas!
Quanto ao saneamento básio... sabe-se lá!
Os electrões são colhidos da electroeira, que é a árvore mais próxima dos condóminos.
Este espécimen desprovido de folhagem tem tronco fusiforme com uns buracos onde se podem encaixar os pés, trepando por ele acima à semelhança do que se faz com os coqueiros, mas só dá sombra quando o céu se encontra nublado.
O abastecimento de água é feito através da mangueirização directa a uma bica que se localiza na retaguarda do condomínio.
Nada mais simples e prático, evitando a chatice das visitas mensais aos contadores da água.
Portanto, se é um candidato ao regime aberto e livre de espartilhos, portador de noções inovadoras quanto a habitabilidade, não se faça rogado que em Tubucci encontrará a permissividade e o local ideal para desenvolver a sua criatividade no Condomínio de São Macário de Tubucci!